UMA PROSA

"Como a gente se perde!
A linguagem que o meu sangue entende — é esta.
A comida que o meu estômago deseja — é esta.
O chão que os meus pés sabem pisar — é este.
E, contudo, eu não sou já daqui.
Pareço uma destas árvores que se transplantam, que têm má saúde no país novo, mas que morrem se voltam à terra natal."
Miguel Torga

POEMA CURTO

O poeta é um fingidor.
Finge tão completamente
Que chega a fingir que é dor
A dor que deveras sente.

E os que lêem o que escreve,
Na dor lida sentem bem,
Não as duas que ele teve,
Mas só a que eles não têm.

E assim nas calhas de roda
Gira, a entreter a razão,
Esse comboio de corda
Que se chama coração.
Fernando Pessoa 01.04.1931

ALGUNS AUTORES


Frederick Forsyth


Colleen McCulough


António Gedeão

ALGUNS LIVROS


Frederick Forsyth


Colleen McCulough


António Gedeão

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


VOLTAR                                                                                                                                                                                           COMENTE

Website elaborado por: Mattu's Style Webdesign
Produzida por: António Fernando Matos