ALBUM DIGITAL 2
     
     
         



COMO EU VEJO O ALBUM



Olå!

Fotografias de todos os tempos. Recordações da vida para mais tarde recordar.
A construção dum album, obedece a vårios critérios: pråticos, sentimentais, estéticos e sobretudo são sempre muito pessoais.
Memória visual do passado, projectada no presente e no futuro.
Hå alguns tempos atrås, reparei em alguém que via fotografias antigas de família. As expressões de espanto, as gargalhadas e os comentårios, foram algo que me chamou a atenção na importância que o passado tem no presente e futuro das pessoas. Temos que atribuir à fotografia, grande parte desta relevância.
Olha como este era! Como se vestiam! Este já deixou de fumar, morreu! Era tudo bem diferente naquela época! Olha estas roupas compridas, nem podiam mostrar as pernas!
Eram estas e outras expressões que me puseram a pensar: A fotografia era um meio que nos transportava ao passado para relembrar factos e vidas vividas. Reporta-nos a lugares onde o espaço e o tempo são ignorados e onde vivemos momentos felizes e menos felizes. Momentos e vidas que não voltam. Mas ao olharmos as fotos recordamos a força com que vivemos e renova essa força para continuar.
As fotos soltas ou os álbuns, poderão ser companheiros valiosos nos momentos de solidão. Assim, matar saudades ao recordar velhos tempos.
Abrir o álbum, é encetar uma viagem sem destino e entrar no túnel do tempo. Essa viagem pode ser um turbilhão de emoções.
Boa viagem.

VOLTAR                                                                                                                                                                                     COMENTE

Produzida por: António Fernando Rodrigues Matos